5 dicas de composição para fotografar paisagens

Você já deve ter lido ou ouvido por aí que o segredo para conseguir boas fotos de paisagens (mais conhecidas como landscapes) é paciência e composição. Acontece que nem sempre conseguimos aliar as duas coisas: ou o tempo é curto, ou não é possível escalar aquele morro alto para conseguir ângulos melhores, ou não tem espaço para carregar um bom tripé... enfim: a lista pode ser extensa.

Poucos de nós vivem em lugares onde a natureza é exuberante. Quando visitamos locais assim, queremos tirar fotografias que mais tarde nos tragam lembranças dignas e vivazes de tudo aquilo que presenciamos (pois provavelmente não retornaremos mais àquele lugar e, afinal, não temos tanto tempo e dinheiro sobrando para viajar a lugares exóticos a todo momento).


Mas o que devemos fazer para que consigamos transmitir através da lente toda a beleza daquela paisagem que vimos ao vivo? As dicas abaixo são simples e de fácil execução - são tão fáceis que é até provável que suas fotos fiquem ainda mais bonitas que tudo aquilo que você viu ao vivo!



1 LINHAS


Cansou de landscapes com o horizonte retinho ao fundo, mas não gostaria de arriscar estragar as fotos que podem ser a única lembrança daquelas férias tão gostosas?
Invista nas linhas.

Elas podem ser muito úteis quando o objetivo é direcionar a atenção do espectador para algum ponto específico da foto. Não é necessário que sejam linhas retas e perfeitas: pode ser o traçado de uma estrada, as árvores no horizonte, uma cerca ou um rio. Você pode tanto usar uma linha de forma parcial (como uma estrada que conduz até a gruta que é o assunto principal da sua foto), ou fazer com que a linha atravesse a imagem de um lado até outro, formando uma diagonal (como no caso abaixo).



Se a idéia é transmitir vivacidade, as linhas são a aposta mais segura: a imagem passará sensação de movimento para quem a estiver observando. Você pode utilizar mais de uma linha na composição da cena, ou registrar uma intersecção (como um rio que é cortado por uma cerca lá adiante); mas é preciso ter em mente que um emaranhado de linhas pode levar ao efeito contrário e criar uma confusão visual.

Foto: Ursi's Blog

Observe a imagem acima: logo de cara fica evidente que o assunto principal da foto é o rochedo. Tanto à esquerda quanto à direita das rochas estão presentes linhas que conduzem o olhar diretamente para lá. Olhando ainda mais atentamente dá para perceber qual é o grande feito de quem a registrou: tanto o mar quanto o céu ou a areia em primeiro plano poderiam ter desviado a atenção, mas ao invés disso nosso olhar é conduzido imediatamente ao rochedo.


2 FORMAS GEOMÉTRICAS


Ao posicionar os elementos mais interessantes da cena nos cantos de alguma forma geométrica, você estará criando uma composição balanceada. A forma mais comum e fácil de utilizar é o triângulo: escolha três pontos que você queira destacar e ajuste o enquadramento de modo que cada um deles fique em um dos lados do triângulo (o assunto principal pode ficar mais ao centro, se preferir).



Foto: Patrick Smith


Também é possível fazer uso de outras formas, como quadrados e retângulos (use a imaginação!). Esta não é uma dica que pode ser empregada em qualquer landscape, mas quando você a usar perceberá que a atenção será direcionada imediatamente para o assunto principal da foto.


3 SILHUETAS


Chegou a
hora mágica (aqueles momentos do dia em que as cores ficam lindas, o amanhecer e o entardecer), você está com a câmera em mãos mas não está bem posicionado e o tempo é curto. Quer saber de outra aposta garantida para um momento como esse? Silhuetas.

Se você estiver com algum amigo, peça para ele ir andando em direção ao sol nascente ou poente; fique um pouco atrás e fotografe a silhueta dele contra o céu multicolorido.


Foto tirada (às pressas) por mim em Garopaba

Quando estiver sozinho, você pode fotografar outras silhuetas: uma árvore, as montanhas ao longe, os pássaros alçando vôo. O que importa aqui é testar ângulos diferentes e tentar realçar as silhuetas contra o céu.



4 A REGRA DOS TERÇOS

Já falei aqui sobre a regra dos terços, lembram? Ela também pode ser aplicada em landscapes. Apesar de ser uma das regras mais básicas e utilizadas em quase todos os estilos de fotografia, pode resultar em imagens bastante sofisticadas.

Foto: James Wicks

Divida mentalmente o visor da câmera em três colunas e três linhas, como se fosse um jogo da velha. Posicione nas intersecções das linhas os pontos que você considera mais interessantes na cena. Nas linhas propriamente ditas também podem ser mostrados pontos de destaque, como por exemplo o horizonte ou um riacho.



5 EMOLDURANDO

Eis outra dica para quando não se tem tempo para procurar e ajeitar pontos de interesse para destacar na foto: molduras. É um tanto mais simples e surtirá um efeito interessante, pois o assunto principal ficará evidente.


Você pode escolher o espaço entre o tronco de duas árvores, uma encosta, uma ponte... praticamente qualquer coisa que possa servir como uma espécie de moldura para a cena.



Foto: dawson30


(+) BÔNUS!

Eu costumo falar isso por aqui, mas não perco a oportunidade de repetir: todas as dicas e técnicas servem como apoio, mas ninguém deve se preocupar apenas em decorá-las e se ater a aspectos puramente técnicos. Com o tempo e a prática, essas coisas acabam se tornando quase naturais. O que importa mesmo é exercitar sua criatividade: fotografe o que tiver vontade da maneira que você achar melhor - suas imagens terão personalidade própria. E me mostre o resultado depois: deixe o link aqui nos comentários, mande pelo Twitter ou por e-mail. Tudo o que é interessante deve ser compartilhado ;)

.
Share on Google Plus

Sobre another db

Professora e escritora, amante de verde e tecnologia