terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Desvendando o efeito zoom

Você pode até não saber o que é o efeito zoom, mas certamente já viu alguma foto com ele: basta dar uma olhadinha na imagem abaixo para saber do que estou falando:

Foto: Lady Vervaine

Existem várias maneiras de conseguir esse efeito - algumas durante a captura da imagem, outras no processo de pós-edição. Não falarei aqui sobre as técnicas de pós-edição, mas se você quiser saber como usá-las, esse site mostra algumas dicas úteis.

O efeito zoom proporciona um resultado bastante interessante, e o melhor: não é tão difícil consegui-lo - basta alguns ajustes e um pouquinho de treino. Grosso modo, você precisará programar a câmera para um tempo de exposição mais longo, e usar o zoom enquanto o sensor estiver exposto (
clique aqui para saber o que é e como usar o tempo de exposição).


> TEMPO DE EXPOSIÇÃO


Se sua câmera permite o ajuste manual do tempo de exposição, programe-o para cerca de um segundo. Mas
se a sua câmera é como a minha e não permite o ajuste manual do tempo de exposição, aí vai uma dica quente! ;)

Ao invés de ajustar a exposição de acordo com a iluminação da cena inteira ("exposure based on the entire frame"), escolha apenas um ponto central como base ("exposure based on brightness of a central point"). Fazendo isso, um pontinho aparecerá no centro da tela de LCD de sua câmera - é através desse ponto que a iluminação será medida, o que modificará o tempo de exposição.

Para uma exposição curta, mire o pontinho em um objeto claro (de preferência branco) e pressione o botão disparador até a metade; faça o enquadramento como preferir e pressione o botão até o final. Faça isso quando você quiser congelar uma cena ou caso você deseje uma imagem sub-exposta.


Iluminação medida através dos pêlos brancos do gato: a
imagem
ficou sub-exposta, escura demais e sem detalhes


Para uma exposição um pouco mais longa, mire o pontinho em um objeto escuro (de preferência preto) e pressione o botão disparador até a metade; faça o enquadramento como preferir e pressione o botão até o final. Faça isso quando você quiser captar movimento ou caso queira uma imagem super-exposta.

Iluminação medida através do sofá preto: a imagem ficou
super-exposta, clara demais e com uma aparência fantasmagórica



> ZOOM

Agora que você já programou o tempo de exposição, faça o seguinte: escolha um objeto e pressione o botão disparador até a metade para que a câmera faça os ajustes necessários (sempre levando em conta as dicas acima, se sua máquina não possui ajuste manual); aperte o botão disparador até o fim, e enquanto o sensor estiver exposto, dê zoom no objeto.


Caso você não tenha conseguido realizar todo o processo,
é possível que sua câmera não permita a utilização do zoom junto com um tempo de exposição longo. Nesse caso, programe o tempo de exposição, e aproxime manualmente a câmera do objeto. Fiz este processo na imagem abaixo:

Aproximar ou afastar manualmente a câmera do
objeto também pode resultar em algo interessante

Você precisará manter a câmera relativamente estabilizada, pois ao trabalhar com um tempo de exposição longo qualquer movimento pode comprometer a fotografia. De preferência, utilize um tripé ou apóie a câmera em uma superfície estável. Ao movimentar levemente a câmera para os lados, para cima ou para baixo, você poderá conseguir outros efeitos interessantes. Como eu não canso de dizer por aqui: é preciso testar.

Ambientes com menos luminosidade favorecerão também são bons para usar esse efeito. Luzes coloridas, como as de faróis de carros, também ficam ótimas.

.
Share:

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Driblando o erro de paralaxe das câmera automáticas

Se a sua câmera fotográfica possui um visor ótico, você já deve ter notado que o enquadramento que vemos através dele é um pouco diferente daquilo que aparece na tela de LCD. Enquanto a tela de LCD nos mostra a cena exatamente como será capturada e armazenada, o visor ótico apresenta essa pequena diferença de ângulo, que é conhecida como erro de paralaxe.


Na imagem acima é possível ver como isso acontece. Essa diferença pode ser suficiente para estragar o resultado final de uma imagem - ainda mais se você estiver usando a regra dos terços para compor a cena.

Organizei este tutorial para ajudar a driblar o erro. É sempre bom estar preparado para o caso de algum dia você precisar fazer uso do visor ótico: como já falei
nesse outro post, ele é excelente em viagens longas (quando não temos bateria reserva) e em ambientes com muita luminosidade.


> MAS O QUE É O ERRO DE PARALAXE?


Ao conferirmos o resultado de uma sessão de fotos que foram enquadradas através do visor ótico de uma câmera amadora, é muito comum percebermos que algum elemento ficou de fora. Pode ser a cabeça de alguém, os pés, a árvore ao longe: você tinha certeza que a foto estava bem enquadrada, mas... o erro de paralaxe fez mais uma vítima!


Nas câmeras compactas (ao contrário das D-SLR), o visor ótico é separado da objetiva. Isso causa uma ligeira diferença entre o ângulo que vemos através dele e o ângulo que será de fato fotografado. Ou seja:
a lente da sua câmera não percebe a imagem pelo mesmo ângulo do visor ótico, porque ele fica mais à esquerda e um pouco acima da própria lente.


> DRIBLANDO O ERRO


1ª etapa


1 - Procure um objeto com linhas retas verticais ou horizontais: uma casa com uma janela na frente, um poste onde você possa pendurar uma tira larga de papel ou papelão colorido ou até mesmo uma pessoa em frente a um muro pouco mais baixo do que ela
.

2 - Fotografe o objeto mantendo-o
exatamente no centro do visor. Se você tiver escolhido um poste, deixe a tira de papel no terço central do enquadramento. O ideal é que essa foto seja feita à luz do dia.

3 - Confira no computador (ou na tela de LCD) o resultado. Observe em qual lado ficou o objeto que você fotografou: direito, esquerdo, superior ou inferior.



2ª etapa


Se o objeto fotografado ficou à esquerda, faça o seguinte:
  • Cole um pequeno adesivo com o desenho de uma seta virada para a direita logo abaixo do visor ótico, na parte de trás da sua câmera;
  • De agora em diante, sempre que você quiser fotografar utilizando o visor ótico, enquadre os elementos um pouco mais à direita. O adesivo só serve mesmo para que não esqueçamos, já que o visor ótico é muito menos utilizado que a tela de LCD.

Atenção!


1 - Observe que o adesivo deve mostrar o lado
contrário ao do erro de paralaxe da câmera.

2 - As câmeras amadoras podem apresentar o erro de paralaxe em lados diferentes.

.
Share:

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Brincando com luz

Já falei muitas vezes aqui no blog sobre a importância da iluminação adequada na fotografia, e vocês também devem ter percebido isso em suas experiências pessoais. Seja num retrato ou numa landscape, uma boa iluminação pode mudar a impressão do espectador sobre qualquer imagem: um castelo pode parecer chato sob o forte sol do meio-dia, mas ao entardecer pode formar uma silhueta de tirar o fôlego.

Foto: bkwdayton

Sabendo usar a iluminação a seu favor, você já terá percorrido boa parte do caminho para uma boa foto. Em artigos anteriores, falei sobre o uso da luz natural e do flash nas câmeras automáticas; hoje vou tratar de mais algumas fontes de luz com as quais nos deparamos freqüentemente.


> LUZ SOLAR


A luz natural é uma grande aliada nossa, mas saber fotografar sob luz solar direta é uma questão de paciência e experiência. Você deve levar em consideração o horário em que a foto será tirada e que efeito essa iluminação terá sobre o resultado final (como eu disse, trata-se de uma questão de experiência). Comece a observar a incidência dos raios solares ao longo do dia: veja como eles se portam sobre edifícios, árvores, pessoas, etc., em diferentes horários. Logo, você vai se acostumar a
procurar pela luz e encontrar rapidamente o melhor ângulo para fotografar em cada horário.

Para conseguir boas landscapes sob a luz do sol, o melhor é sempre investir na hora mágica: aqueles momentos que antecedem o amanhecer e o anoitecer. Uma dica valiosa, sobretudo se você pretende incluir o próprio sol no enquadramento (como na imagem abaixo).


Fotografar o sol direto em qualquer outro momento que não seja a hora mágica pode não ser uma boa idéia para nós, usuários de câmeras automáticas. É provável que aconteça o mesmo que aconteceu na foto abaixo: a câmera fica perdida diante de tanta luz e a imagem sai desfocada.

Essa é minha!

Nos retratos também é preciso tomar cuidado com a luz forte: ela pode formar sombras duras, destacando ou distorcendo algumas partes do corpo (isso ocorre muito freqüentemente com a sombra do nariz de quem está sendo fotografado); para corrigir o problema, pode ser necessário usar um flash de preenchimento. Se possível, mova o sujeito para a sombra: isso ajudará a evitar distorções e caretas estranhas.

Caso a intenção seja fotografar paisagens urbanas, o melhor momento é após as 16h dos dias ensolarados. Após esse horário, a luz incide lateralmente sobre os objetos, o que ressalta sua textura. Isso acontece porque o olho humano tende a focar automaticamente nas sombras para reconhecer diferentes formatos.


> CÉU NUBLADO

Dias nublados são bons para quase todos os tipos de fotografia. Perfeitos para retratos, perfeitos para registrar detalhes arquitetônicos sem sombras que poderiam atrapalhar; também são ótimos para fotografar florestas e parques.


> LÂMPADAS FLUORESCENTES


Esse tipo de lâmpada é projetado para fornecer luz difusa discreta. Portanto, é boa para fotografar em preto e branco. Só tome cuidado quando estiver tirando fotos coloridas, pois a maioria das câmeras automáticas oferece mais de uma opção de ajuste WB para lâmpadas fluorescentes (a minha oferece três!).

Exemplo de diferentes ajustes de WB para fluorescentes

Compare a cena que você vê com a que aparece na tela de LCD da câmera para chegar ao ajuste mais adequado à situação; acredite, a escolha do tom de fluorescente errado pode estragar completamente o resultado final (basta comparar a foto de cima com a de baixo para perceber a diferença gritante).


> LÂMPADAS DE TUNGSTÊNIO


Lâmpadas incandescentes emitem uma luz mais amarelada, o que transmite às imagens a sensação de calor. Esse tipo de lâmpada geralmente é responsável pela iluminação das ruas. Se você já tirou várias fotos noturnas na rua e saíram tooodas borradas, a culpa é das lâmpadas de tungstênio! Ok, deixando as gracinhas de lado agora: você precisa ter um bom apoio para conseguir uma foto definida com esse balanço de brancos; utilize um tripé, apóie a câmera em uma superfície (ou sente em um banco, dobre o joelho próximo ao peito e firme a câmera sobre ele - é o que eu faço quando não resta outra opção).

Foto: Pentax Forums

Você pode usar esse ajuste de WB para fotografar as chamas do fogo, raios, ou qualquer outra fonte que emita luz amarelada.

Se você estiver fotografando com luz natural e tiver alguma lâmpada incandescente por perto, faça um teste: ligue-a e fotografe o assunto para ver o resultado. Uma boa dica para quando você quiser deixar suas fotos com um aspecto mais aconchegante.
.
Share:

segunda-feira, 20 de julho de 2009

20 imagens incríveis manipuladas com Photoshop

Esses dias eu falei aqui sobre a utilização do Photoshop para modificar fotografias. Dentre os comentários que foram deixados para o artigo, está o seguinte trecho: "Oi Ellen! Eu acredito que os editores devam ser usados nos seguintes casos: para trazer a imagem que se tem para o mais próximo da imagem real, caso se queira isso, já que uma câmera muitas vezes não capta as coisas como as enxegamos; ou para alcançar um objetivo impossível com a imagem que se tem ou que seja possível capturar, como por exemplo a artificialidade pode ser um objetivo!" (Cris)

Inspirei-me nesse comentário, e hoje convido vocês a viajar um pouco, deixar para trás a tradicional realidade. Para além das pequenas correções e ajustes, a foto-manipulação (como o próprio nome supõe) permite a utilização e combinação de vários elementos, partes de diferentes fotos, cujo objetivo é justamente criar imagens fantásticas e surreais. O site Digital Photography School fez uma seleção com várias fotografias manipuladas, e eu separei 20 delas para compartilhar com vocês. O resultado é realmente incrível!


"Little Fae" - Tara Naomi Boliek

"I am not a perfect man" - O O


"Day 144 - Little darling, it feels
like years since" - Miriness Photography


"The Last Angel" - WanderingSoul


"My dream is to fly" - Amalia Iuliana


"the loss of innocence" - Ana Fagarazzi


"Storm" - Lydia Marano


"DREAMING AGAIN" - METROFADER

"One With the Earth" - Day Seriani

"squid, seashell and crab" - Pawel Wewiorski

"The Whisper" - Neil Carey


"Untitled" - Sarolta Bán


"Everything inside never comes out right." - Karen Biggs


"Hope Springs Eternal" - PhotoDream


"Anatomy" - Lisa KC


"Corsairs from Sirocco" - Bartlomiej Jurkowski


"Limits" - Stephanie Bennett


"Dizzy crowd" - Martine Roch


"No One Wanted To Be Sued" - M Fortune


"Desperation" Josh Sommers
Share:

terça-feira, 14 de julho de 2009

Fotografando animais de estimação

Seja qual for seu animalzinho de estimação, uma coisa é certa: ele sempre faz alguma coisa que deixa você com vontade de tirar uma foto.

Foto: ETTC

Pode ser um movimento inédito ou uma pose engraçada ao dormir: você corre para pegar a câmera e quando volta... já era. Ou então você até fotografa o que pretendia, mas sente como se não tivesse conseguido expressar através da lente toda a intensidade do momento.

Pois você não é o único a passar por isso! Neste artigo, vou analisar certos aspectos que influem diretamente no resultado da foto e propor algumas dicas simples para conseguir melhores retratos do seu bichinho.


> FOTOGENIA

Assim como algumas pessoas sempre saem bem nas fotos e outras não, o mesmo acontece com nossos pets. Eu realmente não fazia idéia disso até adotar minhas duas gatinhas. Uma delas sai bem em qualquer foto, simplesmente adora ser fotografada; já a outra, apesar de ser linda e delicada, acaba saindo meio estranha: com cara de assustada, fugindo, desfocada, mudando de posição... enfim: difícil mesmo.


Donna, minha gatinha-modelo: sai bem em todas as fotos


Já a Megan é tão tímida que só consegui
um retrato
razoável quando a cliquei dormindo

Se isso acontece com suas fotos também, talvez a culpa não seja sua: seu amigo pode não gostar muito de retratos. Para esclarecer a dúvida, tente fotografar outros animais e experimente as dicas abaixo.


> DESLIGUE O FLASH


Isso é mais do que comprovado: 99% dos animais não ficam muito felizes com um disparo de luz forte na cara! As probabilidades de seu amigo sair com cara de assustado, ou com aqueles terríveis olhos de zumbi-radioativo são enormes.

Procure fotografar seu pet sob luz natural, mas tome cuidado com a formação de sombras (como na foto da Megan, acima). Se isso não for possível, utilize luz artificial de lâmpadas ou lanternas, mas
evite ao máximo o uso do flash.


> O QUE FOCAR?

O foco vai direcionar a atenção de quem estiver contemplando a foto diretamente para o objeto/sujeito que você pretende destacar (veja aqui como ajustar o foco de sua câmera). Procure posicionar o foco sobre os olhos ou o focinho do seu amigo: você verá que o resultado será bem mais interessante.

Na foto ao lado, é o nariz do cachorro que está em foco (e não foi a primeira coisa que chamou sua atenção?)
.


> PREENCHA O ENQUADRAMENTO

A menos que seu amigo esteja fazendo alguma coisa que o obrigue a incluir na cena outros elementos (um pano que está sendo arrastado, o inseto que ele está perseguindo, etc.), prefira preencher o enquadramento com seu pet.


Aproxime-se o máximo possivel do seu bichinho ou use o
zoom (o ótico, não o digital!) da sua câmera. Nas duas fotos acima, podemos ver exemplos de preenchimento de cena.


> INTERAJA


Quem disse que pessoas não podem sair nas fotos também? Se seu gato está dormindo no colo de sua namorada, aproveite a chance! Chegue perto o bastante para enquadrar os dois (nada de cortar a cabeça da namorada da foto!) e para ver qual é o melhor ângulo.

Ou convide alguém para brincar com seu bichinho e faça uma sessão fotográfica no gramado de sua casa. Qualquer forma de interação é bem-vinda!



> FIQUE AO NÍVEL DELE


É o detalhe que fará toda a diferença. Se você tirar fotos de cima para baixo, seu pet poderá parecer desengonçado e menor do que realmente é (como na foto ao lado, que é ótima para demonstrar o que não fazer ao fotografar pets).

Ajoelhe-se no chão, role no tapete da sala: você terá uma outra perspectiva, e poderá retratar seu bichinho com mais naturalidade.





> DICA DE SITE


Ao fazer a pesquisa de imagens para ilustrar este artigo, encontrei um site muito bom, dedicado exclusivamente a retratos de animais de estimação - o
Pet Portrait Artist. Para quem tem interesse no assunto, vale conferir.
.
Share:

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Ajustando o foco da sua câmera

Nas câmeras compactas, o processo de ajuste do foco é totalmente automatizado. Na frente do corpo da câmera existe um dispositivo que emite raios de luz infravermelha; eles batem no objeto focalizado e voltam para um sensor localizado logo abaixo do emissor infravermelho. Com base nos reflexos, a máquina calcula a distância do objeto e ajusta o foco de maneira adequada.

Imagem: Coding Alone

Mas então, como conseguir um efeito similar ao da imagem acima? Ou como destacar algo em uma cena que possui vários objetos diferentes, posicionados a distâncias variadas?


>
O QUE FAZER

Certas câmeras permitem alguns ajustes manuais no que se refere à distância focal; na minha Sony DSC W-120, dá para selecionar as seguintes opções:
  • Multi AF: distribui o ajuste do foco pela cena inteira, de acordo com 9 pontos de medição
  • AF central: focaliza a parte central da cena, que fica entre [ ]
  • AF spot: baseia o foco num pequeno ponto da cena
  • 0.5, 1.0, 3.0, 7.0 metros: o foco é ajustado de acordo com a distância em metros do objeto a ser fotografado
  • : focaliza o infinito (ideal para utilizar em fotos de paisagens com objetos interessantes posicionados a uma distância muito grande)
Claro que não será possível desfocar completamente o fundo como na foto acima - até porque esse efeito só é possível com uma D-SLR; mas você poderá evidenciar o objeto que desejar (e não aquilo que a câmera determinar).


> UM PEQUENO TRUQUE

Digamos que seu sobrinho tenha vindo visitá-lo por uns dias e conhecer melhor a cidade em que você mora. Você o levará para passear e, já que tem uma câmera, vai querer tirar algumas fotos para guardar como lembrança.

Em certa altura do passeio, você decide fotografá-lo próximo a um grande monumento ou edifício. Observe o exemplo abaixo: a escadaria e o resto do cenário ocupam a maior parte do enquadramento - e devido ao ajuste automático feito pela câmera, a pessoa retratada ficou desfocada, quase irreconhecível.


Foto: Vinil Filmes

Como garantir que tanto seu sobrinho como o monumento fiquem nítidos na foto? Enquadre seu sobrinho de forma que fique entre os [ ], pressione o botão disparador até a metade e segure; feito isso, emoldure a foto do jeito que você desejar.

Esta dica vale para qualquer objeto que você queira deixar nítido: o inseto da primeira foto, um carro em movimento, uma pessoa em meio a varias outras, etc.
.
Share:

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Dicas de fotografia para iniciantes*

Você é relativamente novo na fotografia e gostaria de fazer suas fotos terem mais qualidade? Então, sem entrar em detalhes técnicos por enquanto, siga algumas dicas que poderão lhe ajudar!


Não é preciso ter um equipamento de ponta para conseguir boas imagens . Tudo o que você precisa é saber como extrair o melhor do equipamento que tem. Então, aqui vão algumas dicas para começar:

- Nunca use o zoom digital. Desligue-o se você puder.

- Balanço de Branco (WB - White Balance): especialmente quando você estiver tirando fotos em ambientes internos, tente ajustar você mesmo o WB em sua câmera.

- Inicialmente, não use o flash de sua câmera, a não ser em casos que você precise fotografar em condições de pouca luz e não consiga fotos nítidas sem o auxílio do flash. Com a prática, você encontrará certas situações em que o uso do flash poderá corrigir algumas falhas.


> O QUE VOCÊ ESTÁ FOTOGRAFANDO?

A primeira coisa que você pode se perguntar é: o que eu quero fotografar?

Se encontrar algo que você ache interessante ou bonito, pergunte-se: o que isso tem para que eu o veja dessa maneira? Por exemplo, caso o assunto em questão seja uma paisagem, observe o seguinte: tem alguma árvore que chama a atenção de seus olhos, um lago, ou as montanhas no horizonte? Ou tudo isso?

Pensar dessa forma ajuda a identificar os elementos-chave que você deseja capturar. Agora, tente preencher sua foto com esses elementos, eliminando todos os elementos desnecessários (que servem apenas para distrair o observador do assunto principal).

Vamos supor que você esteja fotografando uma pessoa. Tenha certeza que você está perto o bastante para vê-la claramente, e preste atenção ao fundo... você realmente quer que aquela cadeira apareça? Há alguma coisa chamando muita atenção na composição? Se você mudar de posição ou de ângulo, talvez consiga deixar de fora esses objetos indesejáveis.


> FONTE DE LUZ

A seguir, considere sua fonte de luz. Tenha em mente que, a menos que você queira fotografar uma silhueta, terá quase sempre os melhores resultados se a fonte de luz estiver posicionada atrás de você.

Outro aspecto a levar em conta são as sombras. Observe atentamente a pessoa que você está fotografando, para ver se se formam sombras em seu rosto. Caso isso aconteça, tente posicionar a pessoa de forma diferente.


> FOCO

Para ter certeza que seu assunto principal está sempre bem focalizado, deixe sua câmera em pré-foco antes de tirar a foto.

Mas como se consegue isso? Na maioria das câmeras, basta pressionar o botão disparador até a metade e esperar até a câmera ajustar o foco. Feito isso, pressione o botão até o final para registrar a foto.


* Artigo postado pelo Érico, do blog Nerds da Távola Redonda.

Fonte

.

Share:

segunda-feira, 29 de junho de 2009

14 belas imagens da Natureza

Muitas vezes, quem mora em grandes cidades acaba se distanciando um pouco da Natureza. Não por vontade própria, mas por causa da correria do dia-a-dia, de compromissos inadiáveis, ou várias outras coisas que nos mantêm presos à metrópole. O resultado? Acabamos caindo na rotina, esquecendo de relaxar, esquecendo como é simples relaxar.

No
meme que postei aqui no blog semana passada, eu falei de alguns sonhos e fiquei com muita vontade de viajar de novo, passar uns dias longe do agito de Porto Alegre...

Já que no momento eu simplesmente não tenho como viajar, fui à procura de fotos sobre o tema "Natureza", e encontrei muitas imagens lindas. E, claro, separei algumas para dividir com vocês:



"I Love Nature", Elb Foto


"Perception", Pedro J. Ferreira


"Nature First", Job Earth


"Nature Invites", Al Gator


"Great Nature", Miki


"Chillin in Nature", Ojaipatrick


"Nature Calls", La Tur


"Nature", Shreya


"Nature's Gold", Blue Foot


"Nature's Beauty", Earlette


"Nature's Evening Show", Yobs


"Nature's Umbrella", Swamibu


"Blessing of Nature", Ichiro Kishimi


"Nature", Per Ola Wiberg


Uma boa semana a todos!
.
Share: