terça-feira, 19 de janeiro de 2010

4 técnicas para treinar e desenvolver sua capacidade de observação

Quando não podemos investir muito em equipamento, o que nos resta a fazer é focar a atenção em questões que dependam mais do nosso próprio esforço que de recursos materiais. Você sabe: o que faz de alguém um bom fotógrafo não é apenas a qualidade ou quantidade de equipamentos que utiliza, mas sua capacidade de observar e perceber as coisas de forma diferente.

Mesmo com uma câmera automática barata é possível inovar, registrando situações cotidianas sob uma ótica diferenciada. E para provar que isso é possível, já mostrei aqui no blog o trabalho de
fotógrafos profissionais que utilizam equipamento amador - e também abordei o tema nas páginas da revista eletrônica ShareMag.

Courtney Love fotografada por Terry
Richardson, que utiliza câmeras automáticas


A capacidade de observação é o que dá personalidade às fotos. Se você parar para observar trabalhos fotográficos comerciais nas páginas de qualquer revista, perceberá que certas idéias são transmitidas - muitas vezes não é apenas o produto que está sendo mostrado, mas sim um ponto de vista que o faz parecer mais agradável. E é por isso que muitas vezes compramos mais a idéia do que o produto propriamente dito. Só estou falando disso porque também é possível fazer o mesmo com nossas fotos: mesmo que não tenhamos nada a vender, dá para transmitir nossas idéias e impressões através de imagens.

Desenvolver a capacidade de observação demanda tempo e boa-vontade, mas apenas com treino você conseguirá perceber os resultados - tenha um pouquiiinho mais de paciência. As quatro técnicas abaixo são voltadas especialmente para o desenvolvimento da observação. À primeira vista você pode achar que se tratam de técnicas repetitivas e um tanto chatas, mas vai perceber que sua atitude por trás da câmera irá mudar naturalmente.


> ANÁLISE


Escolha um objeto qualquer e coloque-o sobre uma mesa ou alguma outra superfície plana e neutra. Observe-o atentamente durante cerca de
cinco minutos. Mas nada de ficar parado em frente ao objeto pensando: "ok, já vi isso tantas vezes que não é nenhuma novidade... e só se passou um minuto!"; por exemplo, se você escolher uma maçã, preste atenção ao seu formato: ela é redonda ou irregular? Tem muitas estrias? É grande, pequena ou média - e em comparação com o que? Note a textura, a cor, o brilho... Parece velha ou nova - e o que a faz parecer assim? Parece saborosa?

Foto: Alex Jonatan Ventpap

Pergunte-se tudo que for possível acerca do objeto, até que não sobre mais nenhuma pergunta a ser feita. Observando por tanto tempo, você conseguiu montar alguma história envolvendo o objeto? Pensou em como poderia utilizá-lo para contar algo ao espectador?


> PERSPECTIVAS DE ESCAPE


Escolha outro objeto inanimado e coloque-o sobre uma janela. Com sua câmera, teste várias perspectivas e distâncias focais durante 15 minutos.


Certas câmeras permitem alguns ajustes manuais no que se refere à distância focal; na minha Sony DSC W-120 dá para selecionar as seguintes opções:

  • Multi AF: distribui o ajuste do foco pela cena inteira, de acordo com 9 pontos de medição
  • AF central: focaliza a parte central da cena, que fica entre [ ]
  • AF spot: baseia o foco num pequeno ponto da cena
  • 0.5, 1.0, 3.0, 7.0 metros: o foco é ajustado de acordo com a distância em metros do objeto a ser fotografado
  • : focaliza o infinito (ideal para utilizar em fotos de paisagens com objetos interessantes posicionados a uma distância muito grande)

Pergunte-se o que os diferentes ângulos podem expressar: um novo ângulo é capaz de transmitir certos estados de espírito e sentimentos? Use a luz de todas as formas possíveis - dê preferência à luz natural.


> AVALIE O LOCAL


Antes de começar a tirar as fotos, reserve alguns minutos para avaliar o local. Pergunte-se qual parte pode transmitir determinada sensação e por que (a chave para tudo está no questionamento).
Se você já tiver em mente que tipo de foto quer registrar, ficará mais fácil: procura por algo dramático ou alegre, delicado ou profundo?

Foto: Roel Alaniz

Veja a imagem acima: o céu alaranjado do final do dia refletido na poça nos transmite um ar dramático, de solidão. Em geral, a luz difusa do amanhecer e do anoitecer é ótima para criar composições dramáticas.


> TIRE FOTOGRAFIAS MENTAIS

Quando começamos a perceber a fotografia de outra forma, é normal que vejamos cenas dignas de serem registradas em todo lugar - mesmo quando nossa câmera não está por perto.
Essa forma de pensar contribui imensamente para o desenvolvimento da observação. E mais: você pode começar a prever certas coisas, estando preparado para registrar momentos únicos que duram poucos instantes. Force sua capacidade de observação: analise a cena e tente prever o que virá em seguida.

Ao aprimorar sua capacidade de observação, você estará apto a combinar os elementos que o cercam a seu favor, a fim de organizá-los e utilizá-los para reforçar sua narrativa.

.

>>>Ler artigo completo